Audiolivro: outra forma de leitura - Coletivo Leitor

Audiolivro: outra forma de leitura

Por Coletivo Leitor - 10 jul 2019 - 3 min

O mundo vive em constante mutação e a cada mudança surge uma novidade. No cenário da literatura, a inovação que vem ganhando cada vez mais destaque é o ato de ouvir um livro. Isso mesmo, no sentido literal da palavra “ouvir”. Com os avanços tecnológicos surgiu o audiolivro, uma outra forma de leitura, um novo jeito de conhecer histórias. É sobre este assunto que falaremos neste texto. Para ficar por dentro, continue a leitura!

 

O que é audiolivro?

O audiolivro, também chamado de livro falado, surgiu no Brasil em 1970, refere-se a um livro em formato de áudio. A transição da história escrita para o áudio é feita por meio de uma gravação de voz, em um estúdio de gravação ou em um ambiente que tenha gravador. A leitura geralmente é feita pelo próprio autor da obra ou por narradores profissionais. As gravações podem ser encontradas em diversos formatos, como CD áudio, K7, MP3, MP4 etc. Para enriquecer a contação, é comum a utilização de efeitos sonoros ao fundo.

 

Audiolivro: substituto do livro físico ou alternativa de leitura?

Há quem pense que o audiolivro distancia o leitor da paixão pelos livros. Mas, na verdade, é apenas uma alternativa que incentiva o acesso ao conhecimento literário. É importante ressaltar que os audiolivros têm conquistado muitos leitores-ouvintes, a maioria composta por jovens, que já fazem uso de aplicativos e devices.

Esse formato pode ser utilizado, por exemplo, como um recurso para facilitar a leitura de pessoas com deficiência visual ou com dificuldades de leitura, contribuindo para que façam parte da cultura literária.

 

O audiolivro e o sucesso no mercado internacional

O mercado de audiolivro já está em alta em outros países e vem ganhando notoriedade no Brasil. Prova disso é que tem sido tema de diversos eventos, inclusive, estará presente  na programação de amanhã da CasaPublishNews, em que o alemão Eric Bartoletti vai falar um pouco sobre o mercado de audiolivros na mesa “Audiolivros: uma experiência alemã e o que falta para o Brasil viver esse Boom?”. 

Outro exemplo é a recente inauguração da Narratix, uma produtora de audiolivros, de Brasília. O fundador, André Calgaro, em entrevista ao PublishNews, relatou que decidiu investir no negócio ao perceber o quanto estava dando certo no mercado internacional. Com isso, imaginou que o formato poderia também dar certo no Brasil. 

A pesquisa The Digital Consumer Book Barometer 2019, publicada pela PublishNews identificou que o mercado de audiolivros representa 180 milhões de euros. Além disso, corresponde entre 30% a 50% de toda receita digital das editoras que participaram da pesquisa. 

O mercado de audiolivro é tão conceituado em outros países que existe, inclusive, o “Oscar” do mercado americano de livros, o chamado Audie Awards. O evento acontece anualmente e deixa editores, narradores e produtos ansiosos para a sua chegada. Entre as 24 categorias de premiação estão Audiolivro do ano, Melhor Narrador e Melhor Narradora. Para mais informações, clique aqui.  

Compartilhe: