A Arte da Palavra: uma breve história da Literatura

A Arte da Palavra: uma breve história da Literatura

Por Renata Ribeiro de Moraes - 20 fev 2019 - 4 min

Arte! Sim, a Literatura é arte!

O tom sublime que existe nas artes plásticas, na arquitetura, na fotografia ou na música erudita compara-se ao que de mais nobre, formador, desbravador e emancipador possa ser visto num texto literário. Falar da história da literatura, num sentido mais genérico, não é tarefa fácil. Quantos escritores, obras, narrativas sabemos existir? Desde os textos clássicos até os atuais, são muitos, não é mesmo? E quanta gente boa passou e passa por essa história e se legitima entre nós, leitores e críticos.

Conhecer a literatura

Conhecer a história da literatura é conhecer o quanto uma comunidade de escritores toma para si os fatos nos quais se vive. Isto é, por meio da literatura os escritores e, consequentemente, os leitores, têm a possibilidade de vivenciar experiências literárias que proporcionam a reflexão, enriquecem pessoal e culturalmente, ensinam. Por isso não nos deixam tão alheios ao que arbitrariamente o sistema social apregoa.

No que se refere à literatura estrangeira, temos nomes como Luís de Camões, com quem podemos navegar por mares talvez nunca antes navegados. Eça de Queirós, que nos mostra o crime de um padre, em O crime do padre Amaro, que logo de cara nos faz perguntar: e qual seria este crime? Fica o convite para descobrirem… Os vestibulandos provavelmente já o fizeram!

Franz Kafka, que arrepia àqueles que têm medo ou pavor de barata com seu A metamorfose, num tom fantástico e existencial. Jack Kerouac, que fez de suas experiências pessoais memoráveis textos sobre seu cotidiano, sob o ponto de vista de um eterno pesquisador de si mesmo e inovador, segundo a crítica de sua época.

Émile Zola, autor francês de grande fôlego, engajado com a causa socialista, retrata, por meio de sua obra, os meandros sociais de sua época. Ele dá voz e vez à classe operária com o livro Germinal.

William Shakespeare, um dos artistas mais multifacetados de sua época, tem uma vasta obra que continua a nos encantar até hoje. Considerado um dos autores mais revisitados nos dias atuais, não podemos deixar de mencionar as adaptações literárias feitas até hoje para que, de certa forma, cheguem a todos os públicos.

E o que falar de Virginia Woolf, Jane Austen, Clarice Lispector e Carolina Maria de Jesus? Em comum, o olhar feminino sobre tudo o que viram e viveram. Com histórias e poéticas retratadas sob olhares de diferentes épocas, precursoras e críticas ácidas sobre a sociedade de cada tempo

Literatura Brasileira

Assim, a literatura brasileira também merece destaque especial. Obras como as de Machado de Assis, José de Alencar, Carlos Drummond de Andrade, Manuel Bandeira, Oswald de Andrade são legítimas peças de arte que podem ser vivenciadas por nós, leitores, nos mais variados temas e estilos literários.

Muitos e muitos nomes poderiam estar aqui. Relembrados e reverenciados com o reconhecimento que lhes cabem. E aí vale o seu conhecimento de mundo e memória para lembrar de mais alguns. Por exemplo, quais nomes da história da literatura você reverenciaria? (Se desejar, pode compartilhar conosco, comentando aqui no blog. Assim mais gente pode conhecer mais e mais autores).

Assim, falar sobre a história da literatura é trazer à tona esses nomes. Geniais e intensos, cada um com a sua particularidade. Então, fica aqui o convite para entender como a literatura aproxima histórias. Seja de personagens dos livros ou dos próprios autores, como também reverbera o sentido das coisas. Fazer literatura é dizer ao mundo o que incomoda, o que perturba e o que se pode, com ela, comunicar.

E essa história da literatura, seja ela nacional ou estrangeira, só se estabelece porque, do outro lado, está você. Portanto, inspire-se na busca por leituras para que assim seja possível dar e ter voz no seu tempo.

como montar o acervo de uma escola

Compartilhe:

Renata Ribeiro de Moraes

Doutora em Literatura Brasileira pela UNESP (Universidade Estadual Paulista), pesquisa o trabalho extraliterário do escritor João Antônio. Integra a área de literatura infantojuvenil da SOMOS Educação.

Mais posts do mesmo autor